domingo, 26 de abril de 2020

Dor de borboleta


Tem dores que doem dentro e tem dores que doem fora. Para as dores que doem fora, unguento, chás, comprimidos. Para as dores que doem dentro, carinho, afago, abraço sem gemido. 

Tem dores que doem ontem e tem dores que doem agora. Há que aprender com a dor de dentro para curar a dor que transborda fora. Porque a dor de dentro cria feridas na alma que faz sangrar o olhar que chora, apaga o sorriso e traz vontade de ir embora. 

A dor de dentro deixa a parede de fora da nossa casa ser pintada com a tinta da tristeza que carrega nas mãos. Mas a dor grita de lá de dentro do quarto escuro. E toda vez que eu a nego, ela queima e incendeia o sim e o não. Incendeia o distanciamento. Incendeia do teto ao chão. Ela queima e grita e cansa e pede para ser descortinada, esmiuçada e transformada em pó para depois ser trancada no baú do que machucou o coração. 

A dor não quer se fazer pulsar em incômodo latente. A dor pede que a alma aprenda com os erros e siga em frente. Quer ser passageira. Passar ligeira e não ferir tanto a gente.

E a dor de dentro grita alto para se fazer escutar para que a sua chama não permita a alegria de fora calar. Porque vida é plenitude e não quer ser lembrança da vela da felicidade a se apagar. 

O segredo é aprender a pegar uma dose de amor para curar uma dor. Fazer poesia para que a cura chegue mais perto. Tratar essa dor com afeto. Aprender a viver de peito, sorriso e coração aberto. 

Um dia se percebe, com o remédio chamado amor, que a cura se revelou. A dor passou. E de etapa em etapa foi de larva a casulo. Virou bela borboleta que olhou o céu e bateu asas. Bateu as asas e voou. 

Liz Midlej

Nenhum comentário:

Postar um comentário