domingo, 17 de agosto de 2014

Meu amor é marinheiro

   Meu amor é marinheiro
   E mora no alto mar
  Seus braços são como o vento
  Ninguém os pode amarrar
  Quando chega à minha beira
  Todo o meu sangue é um rio
  Onde o meu amor aborda
  Seu coração, um navio 

  Meu amor
  Disse que eu tinha
  Na boca um gosto, a saudade
  E os cabelos onde nascem
  Os ventos e a liberdade

[...] Eu vivo lá longe, longe...
Onde dormem os navios
Mas um dia hei de voltar
Nas águas de nossos rios
Hei de passar nas cidades
Como o vento nas areias
E abrir todas as janelas
E abrir todas as cadeias

Meu amor é marinheiro
E mora no alto mar
Coração que nasceu livre 
Não se pode acorrentar

|Maria Bethânia|

Nenhum comentário:

Postar um comentário