terça-feira, 15 de julho de 2014

Permita-se


Me diga você, que vive contraído por causa das expectativas alheias, das ideias absurdas de perfeição, como é que ainda não se permitiu a conquista do erro?
Está ai a chave para uma vida, senão mais feliz, ao menos mais divertida. Porque é do erro que surgem novas soluções.
[...] Os desacertos nos movimentam, nos humanizam, nos aproximam dos outros, enquanto que o sujeito nota 10 nem consegue olhar para o lado, não pode se desconcentrar um minuto sob pena de ver seu mundo cair. O mundo já caiu, baby. Só nos resta dançar sobre os destroços.
A escritora e filósofa francesa Chantal Thomas certa vez disse: na sociedade moderna há muito lazer e pouco prazer. O fato de você 'estar passeando, nadando ou comendo não significa que está tendo prazer, talvez esteja apenas obedecendo as leis severas do "tempo livre".
O que há de divertido em reservar uma mesa num restaurante da moda para daqui a três meses, em enfrentar filas intermináveis para ver uma exposição de um artista que você nem sabe quem é, em comprar uma bolsa caríssima que logo será vendida a R$ 10 no camelô e em praticar a ginástica do momento para não ficar desatualizada?
Tudo isso são solicitações culturais, imposições de fora. O prazer está na invenção da própria alegria.

Trechos de "La Gozadera" de Martha Medeiros.
Livro Doidas e Santas 

Nenhum comentário:

Postar um comentário