quinta-feira, 12 de junho de 2014

Só um dia para os namorados?


Sentimentos não se quantificam e não podem ser elencados em listas. Embora eu as faça.

Listo todas as coisas boas que sinto quando estou ao teu lado. Cada minuto é o milagre que pedi. E nem foi preciso Verona. Dispensamos o anel e as cenas na varanda. Até mesmo o vinho foi redundante. Nossa embriaguez era a do amor, a dos devaneios, dos excessos. Shakespeare também achava o amor a mais discreta das loucuras. Temos tudo o que o nosso coração conquista, a cada dia.

E é tanto. E pouco também. Por isso ainda faço como antes, guardo você. Decoro tuas frases, desenho teus sorrisos, toco suas canções. Embrulho com laço de fita esses sentimentos todos, só para abri-los de novo mais tarde. É que o tempo nunca é suficiente pra nós.

Talvez por isso tenhamos casado secretamente. Assim, de camiseta surrada e pés descalços, bem ali, no jardim dos amantes. Tentando a todo instante enganar o tempo.

Solange Maia

***
Para meu amor que faz de todos os meus dias, o dia dos namorados! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário