sábado, 24 de maio de 2014

Educação financeira desde cedo


[...] Empreendedores de origem humilde, que são em grande parte responsáveis pela construção deste novo Brasil empresarial, continuam sendo pais ausentes que procuram substituir o diálogo e formação dos filhos, pelo discurso de que “desejam evitar que seus descendentes passem pelas dificuldades e desafios que ele viveu”, e, desta forma os “poupam” de um processo educativo de conquistas próprias.

E, como resultado de toda esta conduta, terminam produzindo uma sensação de conforto perigoso para os filhos, muitos dos quais se tornam figuras dependentes, financeira e psicológica, dos caminhos já abertos pelas conquistas dos seus pais. Não se sentem, ou menos ainda, consideram-se, preparados para construir sua própria história e percurso de vida.

Portanto, não se deve esperar que a escola, mentores, tutores, consultores em gestão de finanças pessoais ou quaisquer outros profissionais possam suprir esta lacuna. Todos eles podem exercer um papel complementar à formação que a família proporcionou aos seus componentes. Especialmente às novas e futuras gerações.

É importante dedicar tempo e atenção aos filhos no sentido de que conheçam algo da sua história familiar, dos valores não apenas manifestados em monólogos e lições de moral. Mas acima de tudo praticados de fato, na coerência entre o discurso e a ação.
Tornar os filhos responsáveis, desde muito cedo por algumas tarefas que possam gerar recompensas. Tratar de forma respeitosa os empregados da casa e dos ambientes freqüentados pela família.

Renato Bernhoeft
Fonte: Portal Administradores.com
Veja texto completo aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário