quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Fragmento e imensidão

Mar de Cacha Pregos - Ilha Itaparica - Bahia
by Fernanda Pataro
Ainda custo a entender a eternidade do mar. Não sei se é porque nele vejo o presente e o passado comungando tão solidamente, ou se é simplesmente pela fantasia com que o cubro. Só sei que diante dele, que é fragmento e imensidão, lembro-me sempre de quem sou. Não do que se pode ver, mas do que é mais duradouro, muito mais honesto, do que é ancestral.

Ali, com os pés perdidos na espuma do mar, reconheço que não existem certezas, afinal, ninguém pode ser inteiramente fragmento, nem totalmente imensidão.
Abandono-me. E Deus se faz presente.
Na concha, no céu, naquele mar muito antigo. Pode ser só uma maneira de enxergar.
Mas diante do mar, vivo sempre meu milagre particular. 

Solange Maia

Nenhum comentário:

Postar um comentário