terça-feira, 9 de julho de 2013

"A vida só se dá para quem se deu"


Em 09 de julho de 1980 (há exatos 33 anos) perdemos o nosso "Poetinha", como assim o chamava Tom Jobim, de isquemia cerebral aos 66 anos. Mas sua poesia mantém-se imortal. Lembro do ano de 1982, quando eu tinha 11 anos e em frente à janela do apartamento onde eu morava, havia um muro branco pichado com a frase: “Que não seja imortal, posto que é chama. Mas que seja infinito enquanto dure.” Todos os dias lia essa frase e refletia, ao mesmo tempo que surgia a curiosidade acerca do autor. Foi meu primeiro contato e assim surgiu meu interesse por Vinícius de Moraes. Pesquisei poemas e, durante toda a minha adolescência, lia tudo o que se relacionava a ele:

“Para viver um grande amor,
é preciso sagrar-se cavalheiro
E ser da sua dama por inteiro
Para viver um grande amor...”  
(Para viver um grande amor)

“Tem dias que eu fico pensando na vida
E sinceramente não vejo saída
Como é por exemplo, que dá pra entender
A gente mal nasce e começa a morrer” 
(Sei lá, a vida tem sempre razão)

“Senão é como amar uma mulher só linda
E daí? Uma mulher tem que ter
Qualquer coisa além da beleza
Uma beleza que vem da tristeza
De se saber mulher...”
(Samba da bênção)

“Quando a luz dos olhos meus
E a luz dos olhos teus
Resolvem se encontrar
Ai que bom que isso é, meu Deus
Que frio que me dá o encontro desse olhar.” 
(Pela luz dos olhos teus)

“...Fez-se do amigo próximo, o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.” 
(Soneto da separação)

“...Chega de saudade
A realidade é que sem ela
Não há paz, não há beleza
É só tristeza e melancolia” 
(Chega de saudade)

“...Assim como viver
Sem ter amor não é viver,
Não há você sem mim
Eu não existo sem você” 
(Eu não existo sem você)

"A vida é a arte do encontro
Embora haja tanto desencontro pela vida"
(citações)

"...E assim quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa lhe dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure" 
(Soneto da Fidelidade)

Nenhum comentário:

Postar um comentário