domingo, 10 de março de 2013

Melhor ser Palhaço



É assim, meio desiludido, que o deputado federal Tiririca (PR-SP), famoso por ser palhaço e humorista, defende a sua já anunciada saída da vida política após o fim de seu mandato, em 2014.
Diz que sai com a sensação de dever cumprido, apesar de - realisticamente - lidar com o fato de não ter nenhum de seus projetos aprovados até lá.
A grande diferença do Tiririca de ontem - que se aventurou em 2010 a passar por uma campanha eleitoral com o slogan em que brincava com o fato de não saber o que fazia um deputado federal - é que o Tiririca de hoje sabe bem o que um parlamentar faz.

EXAME.com - O senhor já falou que o sistema do legislativo brasileiro não funciona. Mas, em termos práticos, o que mudaria, se pudesse?
Tiririca - Tem que mudar tudo. Estou sendo realista. O que acontece: você fica aqui só esperando um dia de votação. Passa o dia todinho, aí abre para as votações, mas uns aceitam, outros não. E tem o lance dos partidos - a oposição não quer, mas o governo quer. Ou vice-versa. Aí cai a votação. Ou seja, passou o dia todinho e nada foi votado. Às vezes, a semana toda. O sistema é assim. Quando eu estava fora, eu falava como muita gente fala: “esses caras ganham muito, dava para fazer alguma coisa e nem trabalham”. Mas é totalmente diferente. Os caras trabalham muito: é em uma comissão, é em outra, e quando vão para os estados têm que começar o trabalho bem cedo para se eleger na próxima. Só que o negócio é engessado.

Fonte: Revista Exame
Veja a entrevista na íntegra AQUI

Nenhum comentário:

Postar um comentário