domingo, 24 de junho de 2012

Arraial do Banho de São João


Gosto muito de conhecer outras culturas. Acho muito interessante que, dentro de um mesmo país, de um mesmo território, haja tanta diversidade. 
"O Brasil é considerado o maior país da América do Sul, além de ser uma das nações mais multiculturais e etnicamente diversas do planeta, resultado da forte imigração vinda de muitos países" (fonte: Wikipédia).

Em Corumbá, Estado de Mato-Grosso do Sul, região centro-Oeste do Brasil, tudo é muito diferente, desde os hábitos alimentares, formas de linguagem até a forma de comemoração de festas populares. 

Assim como o carnaval, as comemorações do São João são bem diferentes do nordeste e é algo que vale a pena registrar. O culto a São João é levado a sério nessa época do ano. Não é só festa. 

O Arraial do Banho de São João de Corumbá, onde os andores são a atração principal,  é considerada a mais tradicional festa religiosa e popular de Mato Grosso do Sul e tornou-se patrimônio imaterial do Estado.

Movidos pela fé em São João Batista, milhares de pessoas descem a ladeira Cunha e Cruz na noite de sábado, 23 de junho, para homenagear o santo, responsável pelo batismo de Jesus, segundo a Igreja Católica. Cada família faz o seu andor individual, com a imagem do São João em cima. O vai e vem das imagens é incessante ao longo da ladeira durante toda a noite. E quando se cruzam, os fiéis se cumprimentam através dessas imagens. E tudo isso atrai milhares de pessoas ao Porto Geral. A imagem do Santo é levado até a beira do rio Paraguai onde é banhado pelos fiéis.


Diz a tradição que, quem passa por baixo de sete andores, seja homem ou mulher, consegue um amor em menos de um ano. É a fama de casamenteiro que São João conquistou no Pantanal sul-matogrossense. Mas como a noite é de diversão, mesmo quem é casado não abre mão de ser abençoado pelos andores. 

Por volta das 23 horas, o andor oficial da Prefeitura traz consigo os "coruruzeiros (que tocam o cururu)", outra tradição do Arraial de Corumbá. São eles que comandam o erguimento do mastro com a bandeira do São João. 

Enquanto cada grupo desce a ladeira rumo ao rio, os visitantes da festa, os músicos (ou coruruzeiros) e as moças solteiras aproveitam para fazer novos pedidos e se divertir ao som da música.


O siriri tocado pelas violas-de-cocho, pelos mochos e ganzás, dá o ritmo caipira à cerimônia. À meia-noite um show pirotécnico dá as boas vindas ao Santo, cujo dia é comemorado no domingo, 24 de julho. O espetáculo ilumina o céu da cidade por cerca de 5 minutos.


O Arraial do Banho de São João se define como a mistura de muita devoção, fé e crendice popular, trindade que alimenta há mais de 100 anos a tradição de banhar a imagem do santo nas águas do rio Paraguai. Os elementos ligados à religiosidade e sabedoria do povo (chamada de folclore) norteiam todo o ritual dos festeiros, desde a preparação do andor sagrado ao banho no rio.

Paralelo a este desfile de andores, existe ao longo da avenida no Porto Geral, as barracas com comidas típicas da região (sarravulho, arroz carreteiro, bobó de frango, caldo de piranha, saltenha boliviana, arroz boliviano, matula, caribeu, pacu assado).

E, surpreendentemente, encontramos no meio de toda essa festa, uma barraca de acarajé! Isso mesmo! O famoso acarajé baiano servido com salada e camarão. Um pouco diferente, mas deu para matar a saudade!! Nem tudo estava perdido!




Muito interessante!

|Liz Midlej|

2 comentários:

  1. Oi, parece até outro país, tudo tão diferente... Semelhante somente as bandeirolas e o santo motivador da festa. Mas é isso mesmo, temos que aproveitar a nossa diversidade cultural. Melhor ainda é que você está tendo o privilégio de viver com sua família, todas estes novos conhecimentos. Bjs

    ResponderExcluir
  2. O bom de ler seu blog é que temos a oportunidade de vivenciar a sua cidade, visitar sua cabeça, passear no seu mundo!Uma delícia! Saudade de vc, minha irmã!

    ResponderExcluir