quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Soneto da fidelidade


Para lembrar da minha adolescência, quando eu passava horas e horas lendo Vinicius de Moraes e memorizando seus poemas...

"... E assim, quando mais tarde me procures,
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Que eu possa me dizer do amor que tive
Que não seja imortal, posto que é chama,
mas que seja infinito enquanto dure"

'Soneto da fidelidade' eu nunca mais esqueci!

Nenhum comentário:

Postar um comentário